A Paz esteja convosco!

“Oito dias depois... Tomé estava com os demais discípulos”. É preciso repetir a notícia porque cada um de nós que retorna à igreja oito dias depois para celebrar sempre de novo a Páscoa, traz dentro de si os traços de Tomé.
tome-a-paz-esteja-convosco

Reflexão sobre a Liturgia do Segundo domingo da Páscoa

“Oito dias depois, encontravam-se os discípulos novamente reunidos em casa, e Tomé estava com eles”. É impossível não atualizar espontaneamente a página do Evangelho de hoje (Jo 20,19-31). Justamente porque oito dias depois da Páscoa os cristãos se reúnem de novo na Igreja. Passou-se oito dias, que para a liturgia são como um único dia, isto é, o grande dia da Páscoa.

Depois de termos vivido os intensos ritos da Semana Santa, retomamos as nossas atividades normais, a vida em família, o trabalho etc.

Mas, como tudo é muito recente, principalmente tudo o que nos preparou para a Páscoa e a própria celebração da Páscoa, nos permite uma pergunta, apenas uma semana depois. O que permaneceu em nós, de tudo o que celebramos? O que, da Páscoa, de fato, ficou em nós? A luz da Páscoa abriu em nós um novo espaço, livre pela fé, pela esperança, para amar com um dinamismo renovado?

Já na primeira semana depois, é possível colocar a força da Páscoa em nós, à prova. Porque a verdade dos ritos que celebramos, só é possível verificar no dia a dia da vida. Porque é o quotidiano que coloca à prova a nossa fé em Jesus ressuscitado.

Como é possível crer na vitória da vida sobre a morte quando a maior parte das pessoas pensa egoisticamente sobre si mesmas? Como é possível crer, quando parece que a satisfação das necessidades da vida só pode ser realizada pelo ato de consumir sempre mais, ignorando que o meu próximo, talvez, mal está conseguindo sobreviver? Como é possível crer quando o cansaço, o medo e a falta de confiança é que guiam as nossas atitudes?

“Oito dias depois... Tomé estava com os demais discípulos”. É preciso repetir a notícia porque cada um de nós que retorna à igreja oito dias depois para celebrar sempre de novo a Páscoa, traz dentro de si os traços de Tomé.

Ele queria ver e tocar aquele Jesus que tinha visto, de longe, pregado na Cruz. Nós, talvez, mesmo sem verbalizar, podemos questionar para que nos serve crer no Senhor Ressuscitado, se isso não produz efeitos concretos em nossas vidas e na vida das pessoas com quem convivemos?  Pode ser que, assim como Tomé, estejamos à espera de alguém que nos dê uma resposta satisfatória.

Na verdade, as leituras deste Segundo Domingo de Páscoa é que podem nos ajudar a aprofundar e até mesmo mudar o nosso modo de entender o que é a Ressurreição e o que significa, de fato, a fé no Ressuscitado.

Maria tinha ido ao sepulcro e o havia encontrado vazio. Pedro e João constataram. Os demais discípulos, porém, ainda estavam imersos nas sombras do medo e da desilusão. É nesse contexto que Jesus se faz presente de maneira totalmente inesperada, e os saúda com o dom da Paz.

Jesus os reconhece novamente como pessoas dignas de amizade e de estima, mesmo que o tenham abandonado nos momentos em que mais precisava que eles fossem amigos e fiéis, na Sua Paixão.  Depois que permitiu ser reconhecido com os sinais da morte, envia-os para levar aos outros o anúncio do Ressuscitado, e sopra sobre eles o Espírito. Trata-se do sopro divino, como aquele do Criador que dá vida nova, para que possam perdoar os pecados, levando a vida do Ressuscitado onde há morte.

Neste quadro, portanto, a ressurreição é Jesus fazendo-se presente vivo no meio dos seus; ressurreição é Jesus reatando com eles a aliança, encarregando-os de continuar a sua própria missão.

Lançando um olhar mais profundo para o antes e o depois da vida dos discípulos, é impossível não constatar que a fé no Ressuscitado produz uma grande transformação que, na realidade, constitui a passagem do medo inicial à alegria que nasce ao ver Jesus e se exprime também no ato de darem, depois, o testemunho desse encontro a Tomé que não estava presente no primeiro encontro.

Pobre Tomé! É tradicionalmente visto como o símbolo da pessoa cética, daquele que crê somente naquilo que vê. Mas o que fizeram de diferente os outros discípulos? Eles viram e acreditaram! E Tomé quer fazer exatamente a mesma coisa!

De fato, Tomé não é melhor nem pior do que os outros discípulos, mas representa, ou melhor, personifica a dificuldade de crer, que há em todos nós, que convive lado a lado com a fé sincera e que não é vencida de uma vez por todas, mas, pelo contrário, que volta e meia nos rodeia e nos “cutuca”.

Tomé simboliza a nossa necessidade de provas evidentes, que nos ajuda a evitar o problema da parcialidade, da visão nublada e também do problema que é confiar numa promessa que ainda não se cumpriu. Portanto, é Tomé quem torna evidente o difícil caminho da fé em Jesus Ressuscitado.

O fato de Jesus estar vivo é tão sério, que Ele se mostra aos seus discípulos uma segunda vez, oito dias depois, quando dá, mais uma vez, a Sua paz, porque sabe que temos necessidade dela sempre novamente. É tão importante, que Ele dedica-se, desta vez, inteiramente a Tomé. Parece até que nesse momento até se esquece dos outros dez, exatamente como o pastor que se preocupa com aquela única ovelha “perdida”.

Jesus não despreza a necessidade que Tomé tem de tocá-Lo! Oferece-lhe as mãos e o lado. Mas ver Jesus já é o bastante para Tomé! Isto é, aquilo que faz com que ele creia, o que o leva a ter fé é ver que Jesus está ali por ele, que não o reprovará pela sua necessidade de constatar aquilo que tanto espera que seja, de fato, real; é ver que Jesus que o ama assim, como ele é. É dessa experiência que nasce a belíssima profissão de fé que nós repetimos tantas vezes: “Meu Senhor e meu Deus”!

Mas Jesus não se fez presente entre os seus somente por causa de Tomé. Ele cuida e se preocupa também de todos os que viriam depois dos primeiros discípulos, para os quais a fé nasceria só pelo ouvir os depoimentos das primeiras testemunhas oculares. É para eles, ou melhor, para nós, que Jesus diz: “Bem aventurados os que creram sem terem visto”!

A ressurreição é Jesus vivo no meio dos seus discípulos, presente na comunidade dos que n’Ele crêem. É Jesus que lembra até dos que um dia virão a crer, inclusive daqueles que, como Tomé, não estão presentes e, por isso mesmo, tem e terão mais dificuldade para crer.

O ato de crer na ressurreição e ou no Ressuscitado não depende de “ver e tocar Jesus”. É dar crédito ao testemunho daqueles que, tendo-O encontrado, mudaram as suas próprias vidas, passando do medo à alegria, da incredulidade à fé!

As testemunhas viram os sinais que Jesus realizou e, a partir da ressurreição, O descobriram como sinal da vitória da vida sobre a morte e, por isso mesmo, deixaram o testemunho por escrito nos Evangelhos que, às vezes, levamos em procissão e beijamos depois da leitura, com toda reverência, não ao livro de papel exatamente, mas ao Ressuscitado que ele “contém”.

Jesus não aparece mais visivelmente a nós hoje, mas temos o Evangelho que guarda a memória dos seus sinais e das suas palavras. Temos a Eucaristia que contém e comunica o sentido da Sua morte e da Sua vida; temos o mandamento novo do amor que nos distingue dos demais e nos identifica como aqueles que conheceram Jesus Ressuscitado!

Hoje também a ressurreição continua a acontecer. É por isso que a fé dos discípulos e de Tomé pode nascer e viver em nós. Hoje também o nosso jeito de viver, na família, no trabalho, nos diversos meios sociais e eclesiais pode fazer a diferença, assim como a passagem de Pedro fazia a diferença, a ponto de muitos buscarem, nem que fosse tocar a sua sombra (At 5,12-16). A ressurreição aconteceu historicamente, mas não pode ser “vista” e compreendida, senão através da transformação que é capaz de acontecer em cada um de nós, quando passamos da desconfiança à força da fé, do desespero à coragem e do egoísmo à abertura para os outros.